Escritório de Projetos

O maior e melhor conteúdo gratuito de gerenciamento de projetos do Brasil

O Scrum prescreve apenas três papéis dentro de times ágeis: O Scrum Master, o Product Owner e o Time de Desenvolvimento. Enquanto que o Scrum Master é o especialista de processos e o Product Owner o especialista de negócio, cabe aos Desenvolvedores serem os especialistas técnicos do time e é deles que falaremos hoje.

O Scrum chama de Desenvolvedor todo profissional que trabalha no desenvolvimento do produto ou sistema que é responsabilidade do time. Não confunda esse título com o de programador, afinal, existem dezenas de formas de contribuir com o desenvolvimento de um produto: análise, programação, testes, design, etc. Não há qualquer hierarquia entre estes profissionais, cada um contribui com a sua especialidade para o sucesso do Time Scrum.

Enquanto que existe apenas um Scrum Master e um Product Owner por Time Scrum, o número de Desenvolvedores é bem maior, sendo recomendado de 3 a 9 Desenvolvedores. Menos do que isso e você terá um overhead de processos em um time muito pequeno. Mais do que isso e você terá dificuldade em conduzir o Scrum com qualidade, uma vez que a comunicação não fluirá tão bem e as cerimônias ficarão mais complexas.  Somando SM e PO, teremos entre 5 a 11 profissionais por Time Scrum.

É importante ressaltar que independente da especialidade individual de cada um, a responsabilidade do desenvolvimento do produto recai sobre todo o time. Assim, o ideal é que o time seja o mais multi-funcional quanto possível: se a entrega exige front-end, o time deve ter este profissional, por exemplo. De nada adianta o analista entregar a análise, mas a programação não acontecer. Ou então de nada adianta a programação rolar, mas os testes não. O Time Scrum fracassou de qualquer forma.

Além disso, o Time de Desenvolvimento deve seguir a priorização de backlog e roadmap definido pelo Product Owner. Uma vez que o P.O. apresente o que ele espera para a próxima sprint (durante a Sprint Planning), cabe ao time definir um plano de ação para entregar o esperado, quebrando os itens de backlog em tarefas e estimando o esforço necessário para a entrega. Entendendo que o esforço necessário é superior à capacidade do time, cabe aos desenvolvedores negociarem com o P.O. uma entrega menor ou mudança de prioridades. Somente o Time de Desenvolvimento é capaz de definir o escopo que cabe em uma sprint e é sua responsabilidade se comprometer apenas com o que possuem capacidade de entregar.

E por fim, o Time de Desenvolvimento trabalha seguindo o processo prescrito pelo Scrum Master: as cerimônias e os artefatos do Scrum devem ser respeitados e qualquer atividade do processo que consuma tempo dos desenvolvedores deve ser levada em consideração nas suas estimativas, na sua definição de escopo das sprints, mas jamais serve como desculpa para abandonar ou desviar do processo.

Dependendo do background do Scrum Master, processos e técnicas poderão ir além do básico do Scrum, sendo práticas comuns a adoção de técnicas ágeis de engenharia de software como BDD, TDD, Integração Contínua, Entrega Contínua, etc. Estas técnicas podem ser adicionadas ao rol do Time de Desenvolvimento conforme o Scrum Master for entendendo a necessidade e benefício das mesmas para o processo de desenvolvimento. Quando o Scrum Master não possui tal background, cabe ao próprio Time de Desenvolvimento promover melhoria técnica em seus processos de engenharia, uma vez que a qualidade do software entregue é sua responsabilidade.

 

 

 

Sobre o Autor

 

Luiz Fernando Duarte Junior

Agile Coach no Agibank, autor do blog LuizTools e programador nas horas vagas.

Autor dos livros:

 

 

 

 

 

Login